Tecnologia do Blogger.
Visitantes
Contador
terça-feira, 18 de agosto de 2009

LENDAS

Cobra grande

É uma das mais conhecidas lendas do folclore amazônico. Conta a lenda que em numa tribo indígena da Amazônia, uma índia, grávida da Boiúna (Cobra-grande, Sucuri), deu à luz a duas crianças gêmeas que na verdade eram Cobras. Um menino, que recebeu o nome de Honorato ou Nonato, e uma menina, chamada de Maria. Para ficar livre dos filhos, a mãe jogou as duas crianças no rio. Lá no rio eles, como Cobras, se criaram. Honorato era Bom, mas sua irmã era muito perversa. Prejudicava os outros animais e também às pessoas.

Eram tantas as maldades praticadas por ela que Honorato acabou por matá-la para pôr fim às suas perversidades. Honorato, em algumas noites de luar, perdia o seu encanto e adquiria a forma humana transformando-se em um belo rapaz, deixando as águas para levar uma vida normal na terra.
Para que se quebrasse o encanto de Honorato era preciso que alguém tivesse muita coragem para derramar leite na boca da enorme cobra, e fazer um ferimento na cabeça até sair sangue. Ninguém tinha coragem de enfrentar o enorme monstro.
Até que um dia um soldado de Cametá (município do Pará) conseguiu libertar Honorato da maldição. Ele deixou de ser cobra d'água para viver na terra com sua família.

Origem: Mito da região Norte do Brasil, Pará e Amazonas.

voltar ao topo


--------------------------------------------------------------------------------

Vitória Régia

Os pajés tupis-guaranis, contavam que, no começo do mundo, toda vez que a Lua se escondia no horizonte, parecendo descer por trás das serras, ia viver com suas virgens prediletas. Diziam ainda que se a Lua gostava de uma jovem, a transformava em estrela do Céu. Naiá, filha de um chefe e princesa da tribo, ficou impressionada com a história. Então, à noite, quando todos dormiam e a Lua andava pelo céu, Ela querendo ser transformada em estrela, subia as colinas e perseguia a Lua na esperança que esta a visse.

E assim fazia todas as noites, durante muito tempo. Mas a Lua parecia não notá-la e dava para ouvir seus soluços de tristeza ao longe. Em uma noite, a índia viu, nas águas límpidas de um lago, a figura da lua. A pobre moça, imaginando que a lua havia chegado para buscá-la, se atirou nas águas profundas do lago e nunca mais foi vista.

A lua, quis recompensar o sacrifício da bela jovem, e resolveu transformá-la em uma estrela diferente, daquelas que brilham no céu. Transformou-a então numa "Estrela das Águas", que é a planta Vitória Régia. Assim, nasceu uma planta cujas flores perfumadas e brancas só abrem à noite, e ao nascer do sol ficam rosadas.

Origem: Indígena. Para eles assim nasceu a vitória-régia.

0 comentários:

About Me

Andreia Farias– Porto Alegre/RS
Sou professora, formada em pedagogia, pós graduanda em pedagogia gestora-supervisão. Atuo na formação de educadores para a Educação Infantil, através de minha empresa, CEFOR-RS, onde também presto assessoria pedagógica para escolas junto com minha equipe técnica. Tenho paixão por ensinar e neste processo de ensino-aprendizagem aprendo diariamente com meus alunos.
Visualizar meu perfil completo

Quem sou eu

Sou professora, formada em pedagogia, pós graduanda em pedagogia gestora-supervisão. Atuo na formação de educadores para a Educação Infantil, através de minha empresa, CEFOR-RS, onde também presto assessoria pedagógica para escolas junto com minha equipe técnica. Tenho paixão por ensinar e neste processo de ensino-aprendizagem aprendo diariamente com meus alunos.

Seguidores

Revistas que acompanho e indico

  • Educação Infantil - O Guia Prático da Professora
  • Guia Prático para Professoras - Educação Infantil
  • Nova Escola
  • Projetos Escolares - Creche